JOLUSI FM (Rádio Web) Clique para ouvir

33Across

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Álbum de 'Frozen' retoma primeiro lugar na parada Billboard 200


Da Reuters. Fonte: G1 (São Paulo)
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)



(Foto: Divulgação)

Disco é primeira trilha a ficar 5 semanas na liderança nos últimos 15 anos.
'Let it go' é considerada favorita ao Oscar de melhor canção original.

A trilha sonora para a animação de sucesso da Disney "Frozen - Uma aventura congelante" recuperou nesta quarta-feira (26) o primeiro lugar na lista semanal de álbuns Billboard 200, tornando-se a primeira em 15 anos a ficar mais de cinco semanas no primeiro lugar da parada.

A trilha sonora de "Frozen", que inclui a canção "Let it go", indicada ao Oscar, vendeu mais 89 mil cópias na semana passada, de acordo com cifras da Nielsen SoundScan.

Desde seu lançamento, em novembro, o álbum vendeu mais de 1,1 milhão de cópias e ficou em primeiro lugar na Billboard 200 por cinco semanas não consecutivas.

O filme animado da Walt Disney Co sobre duas princesas nórdicas, irmãs, continua a ter bom público e já arrecadou US$ 980 milhões nas bilheterias do mundo todo.

Demi Lovato no clipe de 'Let it go', música da trilha de 'Frozen'
(Foto: Divulgação)

A última trilha sonora a ficar mais de cinco semanas no topo da parada Billboard 200 foi a do "Titanic", em 1998, com o sucesso "My heart will go on", de Céline Dion, que se manteve em primeiro lugar por 16 semanas consecutivas.

O álbum de "Frozen" levou o primeiro colocado na parada na semana passada, "The outsiders", do cantor Eric Church, para o segundo lugar, com a venda de 74 mil cópias.




sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Ingressos para show de Jack Johnson em SP estão esgotados


Fonte: G1 (São Paulo)
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)

 
Jack Johnson (Foto: Raul Zito/G1)
Cantor se apresenta no Espaço das Américas em 14 de março.
Vinda ao Brasil inclui ainda shows no Rio e em Florianópolis.

O cantor havaiano Jack Johnson toca no festival Natura Nós, em São Paulo.

Os ingressos para o show de Jack Johnson em São Paulo estão esgotados.

A apresentação do cantor na capital paulista acontece no próximo dia 14, no Espaço das Américas.

Antes, ele canta no Rio, no dia 13. Os ingressos, ainda disponíveis, custam de R$ 140 (nível 3 - central) a R$ 420 (pista premier), com meia-entrada para todos os setores do HSBC Arena (Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401, Barra da Tijuca).

A passagem pelo Brasil será encerrada no dia 15, com um show em Florianópolis, no Devassa On Stage (Rod. Maurício Sirotsky Sobrinho, 2.500, Jurerê Internacional). Os ingressos para pista VIP e camarote já estão esgotados, mas ainda há entradas para a pista comum. No quarto lote, elas custam R$ 120.

As entradas são vendidas pelo site Livepass para o Rio e Blueticket para Florianópolis.





quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

MinC aprova turnês 'ecológicas' milionárias de Milton e Jeito Moleque


Por: Rodrigo Ortega. Fonte: G1 (São Paulo) 
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)


 
Milton Nascimento em show no Recife
(Foto: Divulgação/Paulo Uchôa)

Milton Nascimento canta em prol de tartarugas em projeto de R$ 1 milhão.
Pagodeiros exaltam biomas e plantam árvores em turnê de R$ 2,4 milhões.

Projetos de turnês musicais que abordam temas ecológicos estão na lista de aprovados em fevereiro de 2014, pelo Ministério da Cultura, para captar recursos da Lei Rouanet. Milton Nascimento faz homenagem ao projeto ambiental Tamar em proposta de R$ 957 mil para shows e CD com o Dudu Lima Trio. Outra proposta, da banda de pagode Jeito Moleque, pede R$ 2,4 milhões para turnê e DVD "ambientalmente responsáveis", que inclui plantio de 2 mil árvores para "emissões de gases do efeito estufa geradas com as realizações dos shows".

Os dois projetos foram aprovados com poucos cortes de verba pela Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que se reúne mensalmente para avaliar propostas. Os artistas também podem contar com a renda extra de ingressos a preços populares, que se somam ao valor total liberado para captação de patrocínio pela Lei Rouanet.

A lei tem objetivo de incentivar ações culturais. A aprovação do Ministério não significa que o projeto será patrocinado. É apenas o aval para que o artista busque o incentivo junto a empresas, que têm em troca abatimento de impostos correspondente ao valor investido no projeto. O prazo é de um ano para captação e pode ser renovado por seis meses. A comissão de avaliação reúne representantes de artistas, empresários e sociedade civil.

Os shows com Milton Nascimento poderão captar R$ 813 mil, dos R$ 957 mil solicitados. Grande parte do corte da CNIC foi feito nos cachês do cantor. Para cinco shows, a proposta era dar ao músico um total de R$ 285 mil, na soma de cachês. A comissão liberou R$ 150 mil de cachê total. Também foram aprovados R$ 57 mil para participação do cantor na gravação de sete faixas.

O Jeito Moleque poderá captar R$ 2,2 milhões, dos R$ 2,4 milhões solicitados. A comissão aprovou o pagamento para o grupo de cachês que somam R$ 300 mil em seis shows. Além dos cachês, os orçamentos incluem todos os itens de produção dos shows e CD (no caso de Milton) e DVD (no cado do Jeito Moleque).



Jeito Moleque (Foto: Divulgação)
'Peso positivo'
Outro projeto musical com cunho ambiental aprovado pela Lei Rouanet em fevereiro, "Cantado e Cultivando", foi apresentado pelo cantor Rangel Nabi Ribeiro, que já participou de programas de calouros de TV. Uma apresentação musical única em Ribeirão Preto com público previsto de 2 mil pessoas, com o "tema da cultura da reciclagem", foi aprovada no valor de R$ 582 mil. Rangel diz ao G1 que falar de ecologia "pode ter um peso positivo na aprovação e a captação" do patrocínio.

O G1 entrou em contato com a produção de Milton Nascimento e Jeito Moleque na segunda-feira (17), para comentar os projetos, mas não teve resposta até a noite de terça-feira (18).

Milton em prol de tartarugas
O projeto de Milton Nascimento e Dudu Lima Trio tem como um dos objetivos "sensibilizar o grande público para a necessidade de promover a conservação ambiental, em especial, dos mares, oceanos e as tartarugas marinhas", segundo texto apresentado ao MinC. O cantor e o grupo pretendem fazer cinco apresentações em bases do projeto Tamar e gravar um CD com sete faixas. Grupos locais também devem participar dos shows. Veja a proposta e o orçamento apresentados ao MinC.

Jeito Moleque cita Wikipedia
O texto do projeto, no qual a banda de pagode se associou à empresa OAK Educação e Meio Ambiente Ltda, diz que a turnê "é ambientalmente responsável e colaborará com instituições do terceiro setor envolvidas em cada um dos biomas representados pelas cidades visitadas pela turnê." A banda promete "distribuição gratuita de 5% dos ingressos a instituições do terceiro setor locais às cidades de apresentação, que trabalhem na conservação do bioma local", além do plantio das 2 mil árvores.

O projeto também cita o fato de a banda "exaltar o samba de maneira atemporal". Ao tratar do tema, o texto apresentado ao Ministério tem dois parágrafos com frases quase idênticas ao verbete "Samba" na Wikipedia.  Veja a proposta e o orçamento apresentados ao MinC.



terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

AC/DC prepara turnê comemorativa e anuncia retorno ao estúdio em maio


Fonte: G1 (São Paulo)
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)


 
AC/DC (Foto: Divulgação)


Novo trabalho será o primeiro desde 'Black Ice', lançado em 2008.

Grupo australiano faz 40 anos e pretende apresentar 40 shows.

O AC/DC revelou que planeja retornar ao estúdio em maio deste ano para gravar seu novo trabalho desde "Black Ice", lançado em 2008.

O 16° disco da banda será gravado em um estúdio em Vancouver, no Canadá, segundo informações do site da revista "NME".

O grupo australiano de hard rock também declarou que está preparando uma turnê especial para comemorar seus 40 anos.

O vocalista Brian Johnson afirmou, em entrevista à estação de rádio Gater 98.7, da Flórida, EUA, que a turnê deve contar com 40 apresentações especiais.

"São 40 anos de existência da banda. Então, acho que nós vamos tentar fazer 40 shows para agradecer aos fãs pela eterna lealdade. Quero dizer, honestamente, que nossos fãs são apenas os melhores do mundo, e agradecemos a cada um deles", disse Johnson.




Djavan lança ‘Rua dos amores ao vivo’ em show em Brasília


Fonte: G1 (DF) Globo.com
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)

 

O cantor Djavan, que lança CD e DVD em show em
Brasília (Foto: Marcos Hermes/Divulgação)

Músico se apresenta no Ulysses Guimarães, dia 5 de abril, às 22h.

Repertório traz sucessos da carreira e canções do mais recente álbum.

Dois anos após gravar o álbum “Rua dos amores”, o cantor e compositor Djavan lança um novo CD e DVD ao vivo, com base no mais recente trabalho fonográfico, em show em Brasília.

O artista sobe ao palco do Centro de Convenções Ulysses Guimarães no dia 5 de abril, em evento que começa às 22h.

A apresentação faz parte do projeto “Viva a Música Popular Brasileira”. O primeiro lote de ingressos traz entradas a partir de R$ 80 (valores de meia entrada).

O show “Rua dos amores ao vivo” traz repertório baseado no mais recente trabalho de estúdio do cantor, com composições como “Já não somos dois”, “Pecado” e “Bangalô”, e em sucessos de mais de 40 anos de carreira, como “Flor de lis”, “Meu bem querer”, "Lilás", "Oceano", "Sina", "Se", "Te devoro" e “Samurai”. O álbum lançado em 2012 tem 13 canções inéditas e foi gravado depois de quatro anos fora dos estúdios.

Foto: wikimedia.org
A turnê do show “Rua dos amores”, que deu origem ao novo CD e DVD, foi visto por mais de 200 mil pessoas no Brasil e em diversos países. Entre os destaques da temporada, estão as apresentações no Coliseu do Porto e no EDP Cool Jazz, em Lisboa, em Portugal.

A apresentação na capital portuguesa contou com a participação da cantora Maria Gadú. Dois dias depois do show, o cantor participou do festival “Viva Brasil”, em Amsterdã, na Holanda.

A direção do novo CD e DVD tem direção de Hugo Prata. O material tem lançamento previsto para março. O show é dirigido pelo próprio Djavan, que sobe ao palco acompanhado por Carlos Bala (bateria), Glauton Campello (teclados, piano e vocal), Jessé Sadoc (flügel horn,  trompete e vocal), Marcelo Mariano (baixo e vocal), Marcelo Martins (flauta, saxofone e vocal), Paulo Calasans (teclados e piano) e João Castilho (guitarras e violões).

Show de Lançamento do DVD e CD “Rua dos Amores Ao Vivo” com Djavan

Data: 5 de abril (sábado).
Horário: 22h
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Endereço: Setor de Divulgação Cultural - Eixo Monumental
Ingressos (1º lote e meia entrada):
Superior - R$ 80
Especial - R$ 120
VIP lateral - R$ 160
VIP - R$ 180
VIP-fã - R$ 240



segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Capital Inicial lança festa 'Brasília Pop 2014' em março


Fonte: G1 (DF)
Fotos: Flávio Moraes/G1
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)


Capital Inicial canta no Palco Mundo no Rock in Rio 2013 (Foto: Flavio Moraes/G1)
O vocalista Dinho Ouro Preto e o guitarrista Yves Passarell, do Capital Inicial
(Foto: Flavio Moraes/G1)

'Brasília Rock Show' acontece dia 22, às 22h, no Minas Tênis Clube.
Banda toca sucessos de 31 anos de carreira e músicas de 'Saturno'.

“Prata da casa”, a banda Capital Inicial volta aos palcos do Distrito Federal como principal atração do “Brasília Rock Show”, que acontece dia 22 de março, às 22h, no Minas Tênis Clube. O evento também marca o lançamento do “Brasília Pop 2014”, que prevê duas edições neste ano. A programação tem abertura da banda Rocan, também da capital federal.

Com 31 anos de carreira, o grupo liderada pelo vocalista e guitarrista Dinho Ouro Preto apresenta um repertório baseado em sucessos como “À sua maneira”, “Fogo”, “Independência”, “Natasha”, “O passageiro”, “Música urbana”, “Fátima” e “Primeiros erros”, regravação de Kiko Zambianchi, e composições do 16º álbum, lançado em 2012, “Saturno”.

Nando Reis, uma da atrações do 'Brasília Pop'
Nando Reis agita o público em Copacabana.(Foto: Rodrigo Gorosito/G1)
A formação atual da banda conta com o vocalista Dinho, o baterista Fê Lemos, o baixista Flávio Lemos e o guitarrista Yves Passarell. O mais recente trabalho fonográfico da banda é uma volta ao princípio de carreira, com temas fortes e crítica sociais.

Entre as faixas do disco estão “O bem, o mal e o indiferente”, que faz referências à obra de faroeste “O bom, o mau e o feio”, de Sergio Leone, e ao livro “Cem anos de solidão”, de Gabriel García Marquez.

Outras composições do álbum são “Apocalipse Agora”, “Sol Entre as Nuvens
“O Lado Escuro da Lua”, “Saquear Brasília”, “O Cristo Redentor”, “Noites em Branco”, “Poucas Horas”, “A Valsa do Inferno” e a faixa-título.

“O que norteia nossa trajetória é buscar o entusiasmo que senti ao ver pela primeira vez o Aborto Elétrico, encontrar aquilo que nos fez gostar de rock, que nos fez sermos fãs de bandas de rock”, afirma Dinho.

Brasília Pop
O show do Capital Inicial faz parte das comemorações pelo lançamento da festa “Brasília Pop 2014”, previsto para acontecer duas vezes este ano. A primeira edição acontece no dia 17 de maio, também no Minas Tênis Clube. Sobem ao palco os cantores e compositores Nando Reis e Lulu Santos.

A segunda etapa da festa acontece no dia 7 de setembro, mesma data do ano passado. As atrações ainda não estão confirmadas.

Brasília Rock Show - Capital Inicial

Data: 22 de março (sábado)
Local: Minas Tênis Clube
Horário: 22h
Ingressos: Frente palco: R$ 50; camarote: R$ 80
Informações: (61) 3342-2232






Miley Cyrus estreia turnê no Canadá com performance ousada; veja fotos


Fonte: G1.Globo.com
Fotos: Phillip Chin/Getty Images/AFP)
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)


Miley Cyrus durante show em Vancouver, no Canadá, nesta sexta (14)
(Foto: Phillip Chin/Getty Images/AFP)

Show aconteceu na sexta em Vancouver; Icona Pop abriu para cantora.
Ela apresentou hits do disco 'Bangerz' com novas coreografias e figurinos.

A cantora norte-americana Miley Cyrus estreou nesta sexta-feira (14) em Vancouver, no Canadá, a turnê do disco "Bangerz".

Com coreografias e figurinos ousados, a cantora apresentou os sucessos de seu último álbum, lançado em outubro do ano passado. A dupla Icona Pop, do hit "I love it", foi responsável pelo show de abertura.


Em eterno processo de fuga da personagem infanto-juvenil Hannah Montana, timidamente iniciado em 2010 com o disco "Can't be tammed", Miley escolheu mudar seu visual "country teen" para a turnê de "Bangerz", terceiro CD de sua carreira.








domingo, 16 de fevereiro de 2014

Artistas investem até R$ 300 mil para ter a música do Carnaval


Por: Flávio Oliveira. Fonte: Correio 24 horas
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)




Sucesso da música Ziriguidum fez o grupo Filhos de Jorge dobrar o cachê de shows e os investimentos em videoclipe (Foto: Roberto Abreu)

O investimento é feito desde a gravação do CD. Depois, tem a escolha da música de trabalho para a folia, parceria com rádios, trabalho em redes sociais, gravação de vídeos e divulgação em shows.

Música também é arte, mas na indústria do Axé é um negócio. A banda ou artista que emplacar a canção mais tocada no Carnaval terá como prêmio maior exposição midiática, mais shows contratados e cachês dobrados. Lepo Lepo, Molinho e Raiz de Todo o Bem são três músicas que disputam o título de maior sucesso da folia deste ano. São também três histórias que ajudam a entender o metiê Carnaval e as estratégias usadas para que o sucesso não seja, como muitos acreditam, apenas obra do acaso. 

O sucesso custa caro. Ao menos R$ 300 mil no caso de Lepo Lepo. A canção é defendida pela banda Psirico, personificado no cantor e compositor Márcio Victor. Ele, com a banda, já foi o campeão do Carnaval de 2008 com Mulher Brasileira (Toda Boa). E, há três anos, ganhou como compositor com Liga da Justiça (Foge Mulher Maravilha). Sua especialidade é o pagode com letras de conotação sexual e refrão repetitivo. Tem outro ponto forte, a interação com o “público do gueto”, a festejada nova classe média.

Victor conta também com a estrutura de uma grande produtora. A Penta Eventos está no mercado baiano há 17 anos e tem  em seu cast nomes como Alexandre Peixe, Kart Love e Duas Medidas. Empresariava a Rapazzola quando essa banda teve Coração escolhida com a música do Carnaval de 2005.

Flávio Maron, um dos sócios da empresa, explica assim seu ofício: “Uma produtora é uma pequena gravadora, que tem de cuidar de todo o processo que envolve um artista, desde a   gravação e divulgação do CD até a questão financeira”.

Segundo declarou, a estimativa é que a transformação de Lepo Lepo na música do Carnaval tenha um custo de R$ 300 mil divididos em campanhas publicitárias, distribuição de CDS, promoções com rádios, viagens para turnês de apresentações em programas de TV de alcance nacional, participação em shows diversos, placas de outdoor, publicidade no mobiliário urbano, e talvez no aeroporto, e a gravação de dois vídeos promocionais. Maron advertiu, porém, que a música ainda está em pleno “trabalho”, e esse número pode subir até a Quarta-Feira de Cinzas.

O resultado de todo esse investimento é imprevisível. Pelo sim pelo não, Maron ainda não abriu a agenda de shows do Psirico para o pós-Carnaval. O cachê atual da banda é de R$ 60 mil. Ao final das apresentações contratadas fica uma margem de aproximadamente 20%, divididos entre a Penta Eventos e Márcio Victor, sócios da banda. Outra fonte de receita é o percentual da venda de abadás dos blocos em que o Psirico é a atração principal.

Foto: Arte/Correio

Independente Uma das concorrentes de Lepo Lepo é Molinho, do grupo Filhos de Jorge. O mesmo que no anopassado emplacou Ziriguidum, uma versão para trio elétrico de uma canção cubana. Segundo o empresário do grupo, Wagner Miau, a aposta é pela produção independente, que tem como vantagem maior liberdade para compor e menor pressão de uma gravadora para dar retorno imediato. A desvantagem seria o tempo mais lento para se chegar ao grande público e menor retorno financeiro. 

Miau garantiu que não fez investimentos em Molinho, pois, segundo disse, a filosofia do Filhos de Jorge não é dar foco a apenas uma música, mas sim a todo o show da banda. Ou seja, o produto que eles vendem é o show, que inclui canções de Caetano, Djavan e Raça Negra que estão fora das rádios comerciais.

A estratégia de venda compreende ainda uma campanha publicitária no início da temporada dos Ensaios (em dezembro) e o esperado boca a boca da audiência. “A verdade é que não temos tempo ou grana para outras ações de mídia”, falou. “Ainda assim, estamos com o Carnaval todo vendido”, concluiu.

A promoção de Molinho envolveu, desde maio, o custo de R$ 6 mil para a produção e distribuição de 10 mil CDs por mês e de mais R$ 30 mil na gravação e edição de um videoclipe. O audiovisual de Ziriguidum custou R$ 15 mil. Coincidentemente, R$ 15 mil era o cachê da banda até o Carnaval de 2013 e R$ 30 mil é o atual cachê do grupo.

Saulo, autor e cantor de A Raiz de Todo o Bem, transita em um caminho entre a independência do Filhos de Jorge e a retaguarda empresarial do Psirico. Ele é dono de sua própria produtora, a Rua 15, e mantém parceria com a empresa da cantora Ivete Sangalo, estrela maior da Axé que listou a canção do parceiro em seu repertório.

Segundo a assessora de imprensa de Saulo, Mila Ventura, a repercussão da canção é uma surpresa. Lançada em abril, o ciclo da música já deveria estar vencido para dar lugar a Vu, outra canção – mais rápida e por isso mais carnavalesca – também composta por ele para integrar o primeiro CD/DVD da sua carreira solo. No entanto, a música continua tocando. A assessora suspeita que a sobrevida comercial da canção se deve ao fato de ela ser um hino a Salvador. “Hoje, ninguém mais canta a cidade. Acho que isso mexeu com o público”.

A escolha pela música do Carnaval, segundo a assessora, foi feita pessoalmente por Saulo, rompendo com uma fórmula usada por outras estrelas baianas, a consulta a radialistas para identificar, entre as músicas do repertório  aquela com maior apelo para ser “a” música do Carnaval.

A assessora afirmou não poder divulgar números da estratégia de divulgação de Raiz de Todo o Bem, mas elencou as ações tomadas. Entre elas está a contratação, em dezembro, de uma empresa especializada em Redes Sociais que desenvolveu duas ações, uma para incentivar os fãs a gravarem seus próprios vídeos com a música para colocá-los no Youtube e a outra para distribuição de palhetas para violão entre os fãs.

Semana passada, também iniciou uma campanha publicitária para divulgar a Pipoca do Saulo, um trio independente puxado pelo cantor.  Outras peças em que o cantor aparecem são pagas pelos blocos e eventos dos quais ele participa (a exemplo do Coruja, de Ivete Sangalo).

Imagem e voz de Saulo – jovem boa praça perfil classe média tradicional - também aparecem em comerciais.  Além do cachê de garoto-propaganda, essa presença extra na mídia ajuda na venda de sua música.

De olho nesse filão, a Penta Eventos já estuda como inserir Márcio Victor neste novo mercado. “Márcio Victor é bom garoto-propaganda, é a cara da nova classe média e tem credibilidade perante esse público”, contou Maron.

Internet e rádio são ferramentas de divulgação
A profissionalização das ações de marketing digital de Saulo - descrita na matéria anterior - é só mais uma pista da importância que a internet tem como ferramenta na estratégia de fazer uma canção qualquer se tornar a música do Carnaval.

Wagner Miau, empresário do Filhos de Jorge, é categórico:  “O Youtube é o principal concorrente das rádios hoje em dia”.

Até por isso, afirmou que, em termos de custos para um bom videoclipe, o “céu é o limite”. Apesar dessa clareza com relação à importância da internet e das mídias sociais, Miau reconhece que o grupo que empresaria está muito atrás de seus principais concorrentes. “Trabalhamos a internet de uma forma muito amadora, precisamos melhorar, pois vemos muitos artistas de menor expressão, que fazem um trabalho menor, com uma exposição muito maior que a nossa”, refletiu.

A principal aposta da Filhos de Jorge continua sendo nas rádios. Para isso, distribui CDs promocionais e faz parcerias com estações ou radialistas. Miau nega a prática do jabá.

parcerias A mesma negativa foi feita por Flávio Maron, que explicou o que seria uma parceria com uma rádio: “Vamos a shows e eventos promovidos pelas rádios parceiras, apresentamos nossas músicas, distribuímos CDs, participamos de promoções tipo dia do fã. Em troca, nossas músicas são tocadas dentro da programação”.

Em termos de internet, o trabalho da Penta Eventos é facilitado pelo perfil de Márcio Victor.  “Ele é muito ativo nas rede sociais, está nas redes 24 horas por dia. Posta tudo. Ele dá uma risada e posta lá kkkkk”, disse Flávio Maron.

O cantor do Psirico tem, segundo seu empresário, 157 mil seguidores no Instagram, 100 mil curtidas no Facebook e 263 mil no Twitter.

Tudo isso potencializa o boca a boca para divulgar suas músicas e shows. Serve também para alimentar os fãs, um verdadeiro exército à disposição para promover os artistas e suas composições.




sábado, 15 de fevereiro de 2014

Guns n' Roses: A controversa capa de "Appetite for Destruction"


Por: Lizandra Pronin. Fonte: Território da Música
Edição: Jorge Luiz da Silva
Serrinha, BA (da redação Itinerante)

Foto: Reprodução



O Guns n' Roses volta ao País para uma série de apresentações entre os dias 20 de março e 03 de abril de 2014. Para fazer um aquecimento para a turnê, que tal conhecer - ou relembrar - um pouco da história da banda? Abaixo, vamos falar um pouco sobre a controversa capa de "Appetite for Destruction".

Lançado em 1987, o álbum "Appetite for Destruction" é o disco de estreia da banda que antes disso havia colocado no mercado apenas um EP chamado "Live ?!*@ Like a Suicide" - que continha quatro músicas sendo duas delas versões.

Foto: cleidescully.files.wordpress.com

A capa de "Appetite for Destruction" causou polêmica pois trazia a ilustração de um robô prestes a ser punido por uma espécie de monstro após ter estuprado uma garota - ou pelo menos essa é uma das interpretações. A garota, desmaiada numa calçada e com um dos seios à mostra, apareceia com as calcinhas abaixadas na altura dos joelhos.

A arte é do cartunista e desenhista Robert Williams e foi feita em 1978. A ilustração já tinha esse nome, "Appetite for Destruction", de onde a banda tirou o título para o disco. A arte figurava também a capa do livro The "Lowbrow Art of Robt. Williams", lançado em 1979.

Na capa do disco, a arte foi considerada ofensiva e censurada em diversas lojas dos EUA e Inglaterra. A MTV norte-americana chegou a ameaçar boicotar a banda caso a capa não fosse alterada. A capa foi substituída e a nova trazia a famosa cruz com a caricatura-caveira dos cinco integrantes - desenho de uma tatuagem de Axl Rose. Aqui no Brasil, a capa original vendeu sem problemas.

Foto: morethings.com
A Geffen, gravadora do Guns n' Roses, não achou nada demais a ilustração do robô estuprador. Na verdade deve ter imaginado que alguma polêmica faria bem às vendas - o que de fato aconteceu.

Em uma entrevista ao programa That Metal Show, em 2011, Axl Rose contou que a primeira ideia para a capa de "Appetite for Destruction" não era a polêmica ilustração e sim uma foto do ônibus espacial Challenger explodindo. A gravadora teria acahdo a ideia de mau gosto.

"Eu quero que esse seja o álbum de estreia de uma banda de rock que mais venda na história", disse o vocalista Axl Rose ao lançar "Appetite for Destruction". O álbum ganhou nada menos do que 18 discos de platina segundo a RIAA (Recording Industry Association of America), a associação da indústria fonográfica norte-americana.

**
A turnê sulamericana do Guns n' Roses terá início no festival Hell And Heaven, no México e, após a passagem pelo Brasil, o Gun N' Roses segue para Argentina e Paraguai. Saiba is sobre as apresentações pelo Brasil em http://rockonline.com.br/guns2014